TA PREPARADA? SÃO 30 DIAS INCRÍVEIS! PARTICIPE AGORA

Quando o assunto é problema de saúde ocasionado por dieta alimentar precária – que normalmente se caracteriza por ser rica em calorias e pobre em nutrientes -, logo se pensa em obesidade, diabetes, síndrome metabólica, doenças cardíacas etc.

Uma condição esquecida, mas que vem se tornando muito preocupante, é a esteatose hepática, distúrbio que se define pelo acúmulo de gordura no interior das células do fígado (hepatócitos).

LEIA TAMBÉM

Conforme o médico endocrinologista, da Associação Brasileira LowCarb (ABLC) Rodrigo Bomeny, trata-se de uma doença preocupante, pois, se o aumento de gordura dentro dos hepatócitos for constante e durar muito tempo, é grande o risco de causar inflamação, que pode evoluir para quadros piores como hepatite gordurosa, crise hepática e até câncer.

Bomeny explica que existem dois tipos de esteatose hepática: a alcoólica, em que o acúmulo de gordura é provocado por excesso de álcool; e a não alcoólica, em que a pessoa com o distúrbio não tem histórico de ingestão significativa de álcool.

Entre as principais causas do distúrbio está a alimentação rica em carboidratos refinados e açúcar. Normalmente, a doença está atrelada a outros males como obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo 2.

Segundo o médico, diretor-presidente da ABLC, José Carlos Souto, a esteatose hepática é ocasionada pela conversão do excesso de glicose e frutose em triglicerídeos no fígado. “Se a conversão excede a capacidade do fígado de exportá-lo, eles acumulam-se nos hepatócitos”, diz.

EVIDÊNCIAS

A doença que já atinge 1/3 de dos adultos norte-americanos e 20% da população em geral. Conforme Souto, uma estratégia que consiste em ter uma alimentação rica em proteínas e gorduras e pobre em carboidratos só pode ser benéfica para o combate da esteatose hepática.

De acordo com Souto, variados estudos feitos em animais e humanos indicaram o benefício da restrição de carboidratos e do aumento de proteínas em relação a doenças hepáticas.

Em um deles, publicado em 2009, no periódico biomédico The American Journal of Clinical Nutrition, voluntários humanos foram introduzidos a uma dieta com alto consumo de frutose por sete dias.

Após esse curto período, constatou-se que os participantes do experimento haviam desenvolvido esteatose hepática, assim como gordura nos músculos e resistência à insulina no fígado, especialmente pessoas com histórico familiar de diabetes.

Outros estudos compararam a eficácia de diversas práticas alimentares no combate à esteatose hepática. Um experimento publicado em 2012, pela revista Diabetes Care,  dividiu voluntários com diabetes tipo 2 em quatro grupos.

Os dois primeiros seguiram a dieta da pirâmide alimentar (com pouca gordura e muito carboidrato), mas apenas ao segundo recomendou-se a prática de exerícios. Os dois últimos seguiram uma dieta com ingestão de mais gordura (mono-insaturada). A um deles também foi sugerido atividade física.

“Só houve melhora significativa da gordura no fígado nos grupos que receberam a dieta de alta gordura, independentemente do exercício”, destaca Souto, explicando que estratégia alimentar com  prevalência de gordura significa  que há diminuição do consumo de carboidratos, ou seja, low carb.

Leia também

Petrobras eleva preço da gasolina em 3,5% e diesel em 4,2%

Participe do nosso grupo e tenha um currículo capaz de atrair 5X mais entrevistas  Fo…