Hortolândia

Supermercados e farmácias só poderão funcionar das 7h às 19h; serviço walk-thru está proibido para comércios não essenciais

Por André Rossi

LEIA TAMBÉM

11 Maio 2020 às 18:51 • Última atualização 12 Maio 2020 às 10:48

O prefeito de Hortolândia, Angelo Perugini (PDT), publicou um novo decreto neste domingo (10) para restringir o horário de funcionamento do comércio por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Supermercados e farmácias – incluindo as 24h – só poderão funcionar das 7h às 19h.

O sistema drive-thru também vai funcionar das 7h às 19h. Entretanto, a modalidade só será permitida para restaurantes, lanchonetes e similares, além de estabelecimentos que comercializam embalagens e produtos de limpeza.

Já o atendimento walk-thru – no qual a pessoa vai até o local e apenas retira o pedido – não será mais permitido para os comércios não essenciais. Todos os estabelecimentos comerciais poderão fazer atendimento no sistema delivery, via internet, aplicativo ou telefone.

Os lojistas que não cumprirem o decreto terão o alvará de licença e de funcionamento suspensos imediatamente. O proprietário também estará sujeito a multas com base no Código Sanitário do Estado de São Paulo.

Em transmissão pelo Facebook na sexta-feira (8), o prefeito prometeu que iria publicar um decreto “mais rígido” para que a cidade atinja 70% de adesão ao isolamento social. Um dos requisitos para a futura reabertura pós-quarentena, segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é de que o índice esteja acima de 55%.

“A administração pública não vai ficar omissa. Vamos começar com punições, com multas. Nós não demos multa até agora, não queremos dar multa, mas não tem jeito. Tem gente que só aprende quando aperta no bolso”, criticou Perugini.

De acordo com o decreto, hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, quitandas e hortifrutigranjeiros deverão fazer atendimento exclusivo para maiores de 60 anos das 7h às 9h.

Padarias poderão funcionar das 5h às 19h. Depósitos de bebidas e adegas podem abrir de segunda à sexta-feira das 7h às 17h, e aos sábados e domingos das 7h às 12h.

O funcionamento 24 horas só é permitido para hospitais, clínicas, laboratórios, casas de saúde, prontos-socorros, ambulatórios e similares, hotéis e funerárias.

De acordo com o decreto, poderão funcionar das 7h às 19h os seguintes estabelecimentos essenciais:

  • farmácias, drogarias e similares;
  • lojas de conveniência;
  • lojas de venda de alimentação para animais;
  • distribuidores de gás;
  • lojas de venda de água mineral;
  • postos de combustível;
  • lavanderias, serviços de limpeza e similares;
  • bancas de jornal e similares;
  • transportadoras e armazéns;
  • oficinas para veículos automotores e de propulsão humana, inclusive borracharias;
  • serviços de segurança privada;
  • açougues e peixarias;
  • hortifrutigranjeiros, quitandas e centros de abastecimento de alimentos
  • concessionárias de energia elétrica, água, esgoto, telefonia e internet;
  • óticas;
  • cartórios extrajudiciais;
  • instituições bancárias;
  • lojas e depósitos de material de construção.

Podcast Além da Capa
A quarentena decretada no Estado de São Paulo para combater a proliferação da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) completa 50 dias nesta semana. Com as restrições impostas, muitas pessoas tiveram a rotina, hábitos e até o convívio familiar alterado. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com o repórter André Rossi, que ouviu moradores da região para entender como a pandemia mudou a dinâmica de suas vidas.

Leia também

Região se aproxima dos 90 mil casos

Desde o início da pandemia por Covid-19,em março deste ano, a Região Metropolitana de Camp…