Entre os 20 órgãos federais com a maior proporção de servidores afastados por motivo de saúde em períodos superiores a 15 dias, 13 são instituições de ensino. Levantamento do (M)Dados, do Metrópoles, levou em conta informações até novembro de 2019, as mais recentes disponibilizadas pelo Executivo federal.

Para a análise dos afastamentos, foram considerados os quadros funcionais com mais de 100 servidores. Dentre os quais, o primeiro lugar é do Instituto Federal de Roraima. Em novembro, a instituição tinha 782 servidores estatutários, sendo que 36 deles estavam de licença saúde por mais de 15 dias.

LEIA TAMBÉM

Em seguida, no ranking de órgãos com maior número de ausências, estão o Governo de Rondônia (13,7 mil servidores e 558 afastados) e o Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (1,2 mil servidores e 47 afastados). O Instituto Federal de Brasília ocupa o quarto lugar, com 1,3 mil servidores e 44 pessoas licenciadas.

Veja a relação dos 20 órgãos federais:

O principal motivo das ausências de docentes nas instituições federais é a saúde mental, explica o professor Alex Reinicke, da faculdade de ciências da saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. “Aqui, ela é a terceira maior causa de afastamento, mas se considerado o tempo, passa a ser a maior. Por isso, entendemos que é a maior gravidade”, destaca.

“O tema é historicamente negligenciado. Existem poucos estudos, mas que já apontam para essa relação”, frisa. Reinicke é membro do conselho deliberativo da Federação de Sindicatos dos Professores e Professoras de Instituições de Ensino Superior e de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Nessa posição, observa que parte expressiva de servidores procura o sindicato justamente por questões de saúde mental.

Mestre em ciências da saúde pela Universidade de Brasília, Adriana Modesto estudou o adoecimento de docentes da instituição, entre 2006 e 2011, e chegou a algumas conclusões. “O tempo de exposição ao ofício constitui-se como um dos principais fatores”, aponta. Assim, quanto mais tempo de carreira, maior a chance de o servidor desenvolver um problema.

Adriana elenca dois fatores para o mal que acomete os educadores: a pressão pelo produtivismo acadêmico e o descompasso entre a sua imagem pública e a realidade, de que não pode errar.

Metodologia

Para fazer a análise, foram cruzados o número de afastamentos por motivos de saúde que somaram mais de 15 dias em novembro e a quantidade de servidores efetivos existentes no mesmo mês. A medida é necessária para evitar que os órgãos com mais trabalhadores fiquem nos primeiros lugares da lista.

O Ministério da Saúde, por exemplo, teve 973 servidores afastados em novembro, com a maior quantidade entre os órgãos federais. Entretanto, quando o número é divido pela quantidade de funcionários da pasta, cai para a 156ª posição.

Fonte: Metropoles

Leia também

ArcelorMittal Gonvarri divulga oportunidade(s) para Técnico Manutenção Mecânica – v2172259

Descrição Descrição: Principais Responsabilidades:LEIA TAMBÉM ArcelorMittal Gonvarri divul…