Em novo desdobramento da polêmica sobre comparar funcionários públicos a “parasitas”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou que se referia, na ocasião, ao Estado, e não aos servidores. “Eu não disse nada disso”, afirmou ele, depois de já ter declarado que se “expressou mal“.

“O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático”, declarou Guedes no último dia 7 de fevereiro, sexta-feira passada. Resta ao ministro esclarecer, na nova versão, quem então seria o “hospedeiro que está morrendo” a quem ele se refere na declaração original.

“Estava dando o exemplo de quando os gastos com funcionalismo devoram 95%, 96%, 100% das receitas. Então, o Estado que está virando parasitário, o cara a que me referi foi o Estado. As pessoas são sérias, batem o ponto, merecem respeito, não é o indivíduo”, pontuou o ministro.

O ministro defendia, em palestra no Seminário de Abertura do Legislativo 2020, a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que cria gatilhos de contenção de despesas quando houver risco de descumprimento do teto de gastos.

A declaração do ministro, dada em palestra na Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV EPGE), na sexta-feira (07/02/2020) passada, causou intensa reação entre servidores e autoridades e o obrigou a pedir desculpas.

Fonte: Metropoles

Leia também

EMS divulga oportunidade(s) para Supervisor Garantia Qualidade – v2058166

Requisitos: Formação completa em Farmácia / Preferencialmente com Pós Graduação Experiênci…