O juiz Renato Borelli, da 9ª Vara Federal de Brasília, determinou, nesta quarta-feira (12/02/2020), o bloqueio de bens de condenados na Operação Lava Jato. Um dos envolvidos é Anderson Dornelles, ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Na decisão, o magistrado decretou a indisponibilidade de R$ 8,8 milhões. Além de Dornelles, outros dois tiveram os bens bloqueados: Fábio Veras de Souza e Douglas Franzoni Rodrigues.

Segundo o documento, os réus receberam vantagens indevidas da Odebrecht, entre os anos de 2009 e 2014. À época, Dilma transitou entre a Casa Civil e a Presidência da República.

“Os documentos apresentados pela União fornecem fortes indícios de que o primeiro réu, Anderson Braga, na condição de ex-assessor da então Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e posteriormente assessorando-a na Presidência da República, teria recebido pagamentos mensais realizados pela Odebrecht”, diz trecho da denúncia.

Consta nos autos que Dornelles ainda beneficiou outras pessoas com empregos e outros tipos de vantagens, em troca de informações privilegiadas, obtidas no exercício do cargo e acesso à agenda da ex-presidente.

Fonte: Metropoles

Leia também

😷 COVID-19: Prisões da região já registram 122 casos e um servidor já morreu da doença

O aumento de infectados pelo coronavírus na região de Campinas (SP) também se reflete nas …