O médico Marcus Quito participou da operação de repatriação dos 34 brasileiros de Wuhan, região da China considerado epicentro da epidemia do coronavírus. Diretor substituto Departamento de Vigilância Ambiental, Saúde do Trabalhador e Emergências de Saúde , ele ficou junto aos brasileiros na quarentena realizada na Base Aérea de Anápolis (GO).

“A operação de resgate em si foi bastante tensa. Principalmente porque nós estamos lidando com algo ainda não muito conhecido”, contou. Os outros países, ele prossegue, também estavam tensos com a movimentação. “As paradas foram muito demoradas por conta de desembaraçar, resolver problemas administrativos e operacionais”, detalhou.

LEIA TAMBÉM

O clima melhorou após o desembarque em Anápolis. “Não tivemos nenhuma intercorrência. A operação foi considerada bastante exitosa. Nós aprendemos muito com o protocolo que criamos”, assinalou. Para Quito, o Brasil está mais preparado hoje para enfrentar novas situações de privação de convívio, caso seja necessário.

Quito participou da quarentena em uma área adaptada, um hotel de oficiais para receber toda estrutura e técnica necessária para lidar com o isolamento.

Orgulho

A dona de casa Adriely da Silva Nóbrega e filhas ficaram felizes e orgulhosas com o retorno do marido Carlos Henrique Pereira Rosa, comissário de voo da equipe de repatriação.

“Eu sinto muito orgulho dele. O filho não foge à luta, não é? Eu dou apoio e muita força nessas missões humanitárias”, sorriu.

Questionada se teve medo em algum momento, rebateu: “De verdade, eu não fiquei. Eu confio muito em Deus. Se Deus permitiu que eles fossem, era mais para poder ajudar quem estava precisando de ajuda. E não para poder trazer algum malefício para eles”. Segundo a dona de casa, o governo deu respaldo técnico para a operação de repatriação.

Fonte: Metropoles

Leia também

Fiscalização interdita mais de 50 estabelecimentos por descumprimento restrições em Hortolândia

Neste sábado (06/03), as equipes de fiscalização da Prefeitura de Hortolândia realizaram a…