As prefeituras de Hortolândia e Sumaré estão empenhadas em uma mobilização regional para a retomada dos atendimentos de pediatria no Hospital Estadual de Sumaré (HES), suspensos desde a semana passada, após corte de verbas do governo estadual. A ala de oftalmologia também foi suspensa. O hospital é uma das unidades de referência para atendimentos graves de pacientes da região, inclusive de Hortolândia.

Na última terça, o secretário de Governo de Hortolândia, Carlos Augusto César, o Cafú, e o secretário de Saúde do município, Dênis André José Crupe, participaram de um encontro sobre este assunto, reunião articulada pelo deputado estadual Luiz Dalben (PL), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

O encontro teve, ainda, a participação do prefeito de Sumaré, Luiz Dalben (Cidadania); do secretário estadual de Saúde, Jean Carlo Gorinchteyn; do secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi; do coordenador de convênios da Unicamp, Luiz Cláudio Martins; e do diretor-superintendente do HES, Maurício Perroud.

“Desde a semana passada, o Hospital Estadual não recebe pacientes novos em pediatria e oftalmologia. A unidade é uma referência para municípios como o nosso e, por este motivo, o impacto desta suspensão é negativo, especialmente para os atendimentos pediátricos”, disse Crupe.

Ele ainda ressaltou que o secretário estadual de Saúde explicou a lógica dos cortes orçamentários que resultaram na suspensão destes atendimentos. “Porém, ele nos disse que o impacto foi maior do que o esperado. O compromisso assumido foi o de que haverá uma reunião com o Departamento Regional de Saúde (DRS-VII) para entender melhor a situação e tentar reverter a suspensão, pelo menos, dos atendimentos pediátricos”, destacou Crupe.

De acordo com a Prefeitura, Hortolândia conta com o Hospital Municipal Mário Covas na cidade, que atende casos de baixa e média complexidade em diversas especialidades, além de realizar cirurgias de pequeno porte. No entanto, os casos mais graves que chegam ao Hospital Municipal e às UPAS-24h (Unidades de Pronto Atendimento) são direcionados aos hospitais de referência na região, como o HES e o HC (Hospital das Clínicas) da Unicamp, que têm recursos para atendimentos complexos.

Isso acontece com todos os municípios, pois são atendidos por uma central única, a Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (CROSS). Com a suspensão dos atendimentos pediátricos e oftalmológicos no Hospital Estadual de Sumaré, a CROSS fica com opções restritas de unidades de referência para envio dos pacientes graves.

Escrito por:

Francisco Lima Neto

Leia também

Defesa Civil notifica empresa de farinha sobre áreas atingidas por incêndio que devem ser demolidas

LEIA TAMBÉM Defesa Civil notifica empresa de farinha sobre áreas atingidas por incêndio qu…