Parque Nacional de Abrolhos, na Bahia, foi reaberto para visitação depois de ficar fechado por causa do desastre com óleo na costa do Nordeste. Foto: Manu Dias/GOVBA

Parque Nacional de Abrolhos, na Bahia, foi reaberto para visitação depois de ficar fechado por causa do desastre com óleo na costa do Nordeste. Foto: Manu Dias/GOVBA

O número de localidades do Nordeste atingidas por óleo chegou a 409, segundo balanço divulgado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Ao todo, ao menos 104 municípios de todos os nove estados do Nordeste foram afetados por fragmentos ou manchas de petróleo cru desde 30 de agosto.

Leia também:
Análise da água não vai identificar substância tóxica do óleo
Diretor do Ibama não descarta que óleo no Nordeste seja do pré-sal
Nova mancha de 55 km pode mostrar origem do óleo no NE
Óleo no NE: Ministro da Defesa volta a sobrevoar praias de Pernambuco
Pescados de regiões oleadas terão análise de pesquisadores da UFRN
“Não falta dinheiro para combater vazamento de óleo”, diz ministro de Minas

Segundo o Ministério da Saúde, o Nordeste tem 153 municípios litorâneos, o que significa que o óleo chegou a ao menos 67,9% das cidades da costa da região. Grande preocupação dos ambientalistas, o Parque Nacional de Abrolhos, na Bahia, foi reaberto para visitação depois de ficar fechado por conta de fragmentos encontrados.

O balanço do Ibama indica, também, que apenas 166 das 409 localidades atingidas estão “limpas”, isto é, sem vestígios ou manchas. Dentre as que ainda têm óleo, estão a Praia do Japaratinga e a Foz do Rio Manguba, em Alagoas, e a Ilha de Comandatuba e a Costa do Sauípe, na Bahia.

Por estado, as 243 localidades ainda oleadas se distribuem da seguinte forma: Bahia (100), Alagoas (45), Sergipe (34), Pernambuco (26), Rio Grande do Norte (21), Ceará (11), Maranhão (3), Paraíba (2) e Piauí (1).

Em relação à fauna, ao menos 128 animais oleados foram identificados pelo Ibama. Os dados se referem especialmente a tartarugas marinhas (89) e aves (25). Nas redes sociais, a Fundação Mamíferos Aquáticos chegou a compartilhar imagens da recuperação de uma ave oleada encontrada em Maragogi (AL).

Na Praia do Janga, em Paulista (PE), o estado chegou a encontrar algumas dezenas de peixes mortos junto a uma grande mancha em outubro. Além disso, o material já foi encontrado em regiões de corais.

Pesquisadores apontam que o petróleo também foi encontrado no organismo de animais diversas, como mariscos e peixes. Eles também ressaltam que o impacto ambiental do óleo pode persistir por décadas.

A primeira mancha de óleo foi oficialmente identificada em 30 de agosto, no município de Conde, na Paraíba. Quatro dias depois, o material foi encontrado no segundo estado, Pernambuco, na Ilha de Itamaracá. Em 1º de novembro, a Bahia foi o nono e último estado do Nordeste a receber óleo, com a primeira mancha identificada na Mata de São João.

Ao todo, foram atingidos mais de 2,2 mil quilômetros da costa, dos quais foram retiradas mais de 4,3 mil toneladas de petróleo.

Fonte: OP9

Leia também

Confidencial divulga oportunidade(s) para Assistente Contábil

– Importação dos lançamentos contábeis dos módulos ERP – Ativo Fixo. –&n…