A Justiça de São Paulo negou, na noite desta sexta-feira, 4, medida liminar que pedia a suspensão da reabertura das escolas no Estado.

A ação foi movida por entidades ligadas aos professores, que argumentam que a volta à escola a partir de terça-feira, 8, traz risco à saúde de alunos e professores.

LEIA TAMBÉM

Em agosto, porém, o governo estadual deu aval para que municípios há mais de 28 dias na fase amarela do plano de reabertura econômica do Estado autorizem o funcionamento das escolas a partir do dia 8 de setembro para atividades como reforço escolar.

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o Centro do Professorado Paulista (CPP), o Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação (Afuse) e a Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) ingressaram nesta semana com pedido de medida liminar para que fosse suspensa imediatamente a possibilidade de retorno das atividades presenciais em escolas públicas e privadas do Estado.

Leia também

Triatletas transplantadas e EMS unidas pela doação de órgãos

Débora Reichert, Patricia Fonseca e Priscilla Pignolatti têm em comum muito mais do que se…