O incêndio que destruiu uma parte da indústria farmacêutica EMS, em Hortolândia (SP), completa uma semana neste sábado (27) com reclamações de moradores sobre a fumaça na região. Imagens recebidas pela EPTV, afiliada da TV Globo, mostram a situação nas proximidades do imóvel.

De acordo com os Bombeiros, o processo de demolição de combate aos focos de incêndio é complexo e deve seguir por 20 a 30 dias e, por isso, neste prazo a fumaça e o cheiro continuam até a finalização dos trabalhos. A indústria fica no km 8 da Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença, a Campinas-Monte Mor (SP-101), na altura do bairro Chácaras Assay, na entrada da cidade.

Fumaça registrada na área onde fica a EMS, em Hortolândia — Foto: Reprodução / EPTV

O que diz a EMS?

Em nota, a indústria informou que a fumaça registrada no local é o vapor resultante da umidade do ar em contato com a superfície quente do local atingido pelo incêndio, onde é realizada a retirada parcial de entulhos. “A limpeza dos escombros foi autorizada pelo Instituto de Criminalística da Polícia Técnico-Científica, da Polícia Civil, que realizou perícia técnica na empresa”, diz texto.

A farmacêutica alegou também que segue todos os protocolos de segurança para garantir o menor impacto possível ao meio ambiente e à comunidade, e que a Companhia Ambiental do estado (Cetesb) validou os protocolos realizados por ela e mantém monitoramento das práticas.

“A empresa está oferecendo a assistência necessária à comunidade e tem dialogado com moradores que entraram em contato para avaliar suas necessidades. No momento, 106 pessoas estão hospedadas em um hotel, dentre moradores das residências que tinham sido interditadas e outros atendimentos proativos feitos pela companhia”, diz texto da assessoria.

Incêndio atingiu fábrica da EMS há uma semana — Foto: Gustavo Biano/EPTV

INCÊNDIO NA EMS

Leia também

ADM DO BRASIL divulga oportunidade(s) para Analista de Planejamento de Materiais SR – v2190737

Descrição Requisitos: Formação Acadêmica: Superior completo em administração, logísti…