Quer receber as principais Notícias de Hortolândia e região pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.

O grupo protesta contra as novas regras do frete mínimo de transporte de cargas, publicadas na semana passada. Foto: Jorge Talmon/TV Clube

O governo federal decidiu suspender a nova tabela de frete que havia entrado em vigor no sábado (20) e vai se reunir com representantes dos caminhoneiros para barrar uma possível nova paralisação da categoria. A informação foi dada nesta segunda-feira (22) pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. A conversa será na quarta-feira (24), em Brasília. Em alguns lugares do Nordeste houve nesta manhã “ensaios” de protestos, como em Jaboatão (PE) e Campina Grande (PB).

Até quarta-feira ficam suspensas as novas regras publicadas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para o cálculo do frete mínimo de transporte de cargas. A nova resolução sobre o tema previa que o cálculo passaria a considerar 11 categorias na metodologia coeficientes dos pisos mínimos. A resolução também ampliava os itens levados em consideração para o cálculo.

Segundo a norma, o cálculo do piso mínimo de frete levaria em consideração o tipo de carga e seriam aplicados dois coeficientes de custo: um envolvendo o custo de deslocamento (CCD) e, outro, de carga e descarga (CC), que levará em consideração o número de eixos carregados. A resolução determinava ainda que seria levada em consideração a distância percorrida pelo caminhoneiro.

No final de maio, a agência reguladora anunciou o fim da aplicação de multa aos caminhoneiros que descumprissem a tabela ou denunciassem a empresa que não paga valor mínimo do frete. De acordo com a ANTT, a aplicação de penalidades aos caminhoneiros acabava desmotivando os motoristas a denunciar as empresas que estavam pagando o preço abaixo da tabela.

Com a alteração agora suspensa, nenhum caminhoneiro autônomo poderia ser multado caso esteja transportando cargas no valor abaixo do piso mínimo de frete estabelecido.

Com a insatisfação demonstrada pela criação no WhatsApp de grupos de caminhoneiros no fim de semana discutindo uma paralisação, o governo Bolsonaro resolveu agir e evitar desabastecimento como nos dez dias em que a categoria parou em 2018, entre 21 de maio e 1º de junho.

Alerta em Jaboatão e em Campina Grande

Em Pernambuco, uma mobilização aconteceu na BR-101, na altura da fábrica da Vitarella, em Prazeres, Jaboatão dos Guararapes. O grupo protestou contra as novas regras do frete mínimo de transporte de cargas, publicadas na semana passada. A manifestação foi dispersada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) por volta das 10h.

“Vai continuar paralisado até o ministro revogar a tabela. Os caminhoneiros já vêm sofrendo com esse aumento do óleo diesel e essa nova tabela ficou 30% abaixo do que a gente vem reivindicando. Sem condições de trabalhar”, afirmou o caminhoneiro Betinho Ferreira.

Em uma rodovia da BR-230, na Alça Sudoeste, em Campina Grande, Agreste da Paraíba, um protesto também reivindicava o valor do diesel e a tabela de preços dos fretes. Segundo os caminhoneiros, veículos de carga viva, ambulâncias, carros e motocicletas passavam normalmente na via. Caminhões com carga seca estavam sendo convocados a parar na rodovia.

De acordo com o Sindicato dos Condutores em Transportes Rodoviários de Cargas Próprias da Paraíba, o movimento não está sendo liderado pela organização. Os caminhoneiros colocaram pneus na pista para sinalizar o protesto. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) relatou que o trânsito está fluindo normalmente e que não existe fechamento da pista, nem interdição total ou parcial.

Fonte: OP9

Leia também

Judô de Hortolândia conquista medalhas de ouro e prata no Chile

Roberta Yamashita e Elsa Ikeda representaram Hortolândia e o Brasil em competição Sulameri…