Connect with us

Notícias

Crescimento nada genérico

Artigo

em

Quando o administrador de empresas Marcus Sanchez nasceu, há 35 anos, seu avô Emiliano já havia realizado o sonho de transformar uma pequena farmácia em Santo André, no ABC Paulista, em uma empresa que se tornaria a maior indústria farmacêutica do Brasil. Hoje ele é o vice-presidente institucional da EMS (sigla com as iniciais do fundador, Emiliano Sanchez, acrescentando o M de Manoel, bisavô de Marcus) e dirige a companhia ao lado do tio, Carlos Sanchez, presidente do conselho de administração. No ano passado, a receita líquida da EMS foi de R$ 5,6 bilhões, com a venda de 556 milhões de unidades de medicamentos. Apesar da instabilidade econômica por conta da pandemia da Covid-19, a crise tem passado longe da farmacêutica em 2020. Somente no primeiro semestre deste ano, as vendas cresceram 21% em relação ao mesmo período do ano passado. “Queremos fechar o ano com crescimento de 25%”, diz Marcus Sanchez.

Até agora, o plano tem dado certo. A empresa cresceu neste ano mais que o dobro da indústria nacional de medicamentos – cuja alta, de janeiro a maio, foi de 10,24%. As duas palavras-chave ditas pelo dirigente da EMS para alcançar a meta de crescimento até o fim do ano são investimento e inovação. Somente nas construções das fábricas de Hortolândia e Jaguariúna, no interior de São Paulo, Manaus e Brasília, a soma de investimentos, iniciados em 2012 e que vão até o ano que vem, atingirá R$ 1 bilhão. No ano que vem, a empresa entrega uma ampliação do parque fabril de Hortolândia para armazenamento de matéria-prima refrigerada e uma unidade de produtos oncológicos injetáveis.

LEIA TAMBÉM

Tudo isso já estava planejado. A pandemia, contudo, acelerou algumas das decisões. A EMS decidiu antecipar a aplicação de recursos que originalmente estavam previstos para 2021. Apenas em investimentos na linha de produção foram destinados R$ 5 milhões, além de recursos para divulgação institucional, que saltaram de R$ 60 milhões, anteriormente, para R$ 100 milhões. Além disso, acelerou a compra de insumos para produção de medicamentos, mesmo com a disparada do dólar nos últimos meses e a elevação dos custos de frete em todo o planeta. Ao mesmo tempo, a empresa sentiu a necessidade de acelerar seu processo de digitalização. “Antes da pandemia, havíamos criado uma diretoria de transformação digital e agora investimos cerca de R$ 1 milhão em um portal de propaganda médica”, afirma o VP da empresa.

INOVAÇÃO Centro de pesquisa e desenvolvimento da EMS, em Hortolândia, conta hoje com 50 produtos em estudo. (Crédito:Divulgação)

A grandeza dos números evidencia o tamanho da indústria de medicamentos no Brasil, ainda mais em tempos de pandemia, quando a produção precisou ser aumentada para que redes farmacêuticas e unidades de Saúde pudessem ter seus estoques abastecidos. Segundo dados do Grupo FarmaBrasil, associação que integra 12 empresas do setor, o faturamento total do mercado para o segmento farmacêutico chegou a R$ 69 bilhões em 2019. O aumento do repasse de recursos públicos a estados e municípios, que já ultrapassou R$ 14 bilhões, para o combate à pandemia, mostra o tamanho do potencial de receita para as empresas fornecedoras de itens hospitalares, EPIs e, naturalmente, medicamentos. Nessa fatia de mercado, o grupo NC (iniciais de Nanci e Carlos, filhos de Emiliano), que controla a EMS, terminou 2019 com 8,21% do market-share, de acordo com o Grupo FarmaBrasil. A distância de receita em relação à segunda colocada da tabela, a francesa Sanofi, com 6,81% de participação, beira R$ 1 bilhão (confira o gráfico).

MENOS CÓPIAS A EMS ganhou musculatura a partir da liberação dos medicamentos genéricos no Brasil. Foi a primeira empresa a produzir medicamentos desse tipo no Brasil, em 2000, e hoje tem 500 genéricos em seu portfólio, com demanda mensal de 20 milhões de caixas. Para a empresa, a fórmula para seguir adiante está na pesquisa de novos remédios. Os medicamentos de prescrição representam hoje 43% da receita, contra 35% dos genéricos. “Somos uma empresa que hoje adota menos cópia e investe mais em inovação. Isso é um novo desenho estratégico”, afirma o vice-presidente. Segundo ele, ainda falta muito para que o País seja, de fato, um importante polo de desenvolvimento de pesquisa. “A inovação está atrelada ao risco e o Brasil não tem legislação clara sobre isso”, diz Marcus Sanchez. A líder do mercado diz fazer sua parte. São investidos, anualmente, 6% do faturamento do laboratório para assegurar a atividade de 400 pesquisadores no centro de pesquisa da empresa, em Hortolândia, que hoje conta com 50 novos produtos em diferentes etapas de desenvolvimento.

Divulgação

“A questão do prazo extra é a insegurança jurdídica, já que nunca se sabe exatamente qual o tempo da patente de um medicamento no brasil” Reginaldo Arcuri , Presidente-executivo do Grupo Farmabrasil.

Uma saída para acelerar a inovação foi buscada fora do Brasil. Por meio da criação da Brace Pharma, nos Estados Unidos, a companhia brasileira destina recursos a empresas que buscam novos medicamentos de ponta. Desde a fundação da subsidiária já foram aportados mais de US$ 250 milhões. A aposta faz sentido, já que é dos EUA que saem 70% dos medicamentos inovadores no mundo. E um resultado concreto surgiu no fim do ano passado, com a aprovação, por parte da Food and Drug Administration (FDA), agência que regula os medicamentos nos Estados Unidos, de um dispositivo para uso emergencial no tratamento de deficiências cardiopulmonares. O produto, que pode ser utilizado em sintomas associados à Covid-19, representa a primeira inovação radical da EMS em solo americano, o que faz da empresa um case de pesquisa no mercado global. O processo de aprovação demorou 18 meses – e não há previsão para que chegue ao Brasil.

VOLUME Companhia produziu, em 2019, 556 milhões de unidades de medicamentos. Entre eles, estão genéricos, que respondem por 35% da receita.

O termo inovação radical significa a criação, de fato, de um novo item para o mercado a partir de pesquisas. E se há um mercado promissor para a indústria farmacêutica é o de medicamentos biológicos, de alta complexidade e de alto custo para a indústria. Para diminuir a distância que há hoje entre o Brasil e as multinacionais que atuam no segmento, assim como reduzir os custos com importação desses produtos, a EMS se associou às concorrentes Aché, Hypera Pharma e União Química para criar, em 2012, a Bionovis. Para se ter uma ideia do que podem significar, economicamente, essas pesquisas para transferência de tecnologia e produção, basta um dado: em 2018, o Ministério da Saúde destinou 51%, dos R$ 21 bilhões empregados em medicamentos, para garantir a importação dos biofármacos. No ano passado, a Bionovis recebeu do governo federal R$ 511 milhões para fornecer produtos originais e um biossimilar (espécie de genéricos dos medicamentos biológicos), além de ficar responsável pela importação e distribuição dos fármacos. Até o ano que vem, serão sete produtos, o que possibilitará, em cinco anos, dobrar a receita a partir da venda dos medicamentos para o SUS.

Ainda que não revele qual o tipo de medicamento, o dirigente afirma que a empresa caminha para conseguir aprovação para produzir um biossimilar no Brasil. Com aportes da ordem de US$ 110 milhões neste desenvolvimento, a perspectiva é que o produto possa chegar ao mercado em 2027. Para se preparar, a Bionovis está investindo R$ 420 milhões na construção de uma fábrica em Valinhos (SP), que deve ficar pronta no ano que vem. O presidente da Bionovis, Odnir Finotti , afirma que a o objetivo é ser uma empresa atuante não apenas no mercado nacional, mas estar pronta para fornecer globalmente. “O Brasil caminha para dominar essa ciência, formar gente e ser um player importante do setor.”

PATENTES Além da inovação, há outra demanda que tem unido as indústrias farmacêuticas brasileiras, independentemente da disputa por mercado. É o enfrentamento de todo o segmento pela eliminação do prazo extra da patente de medicamentos no Brasil. Enquanto no mundo todo o prazo é de 20 anos, aqui esse período pode ser 50% maior, chegando a 30 anos. Uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) e defendida pela indústria brasileira do setor, está em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar o artigo 40 da Lei de Patentes, que fala sobre essa ampliação. Para o presidente-executivo do Grupo FarmaBrasil , Reginaldo Arcuri, “a questão central é a insegurança jurídica, já que nunca se sabe exatamente qual o tempo da patente de um medicamento no Brasil”. A FarmaBrasil tem fornecido informações no processo para sustentar a defesa pela derrubada do artigo. A perspectiva é de que a votação ocorra ainda neste ano.

A decisão poderia não só aumentar o acesso aos medicamentos como gerar economia de gastos do poder público e, por consequência, do contribuinte. Um estudo produzido pela Universidade Federal do Rio do Janeiro (UFRJ) mostra que apenas nove medicamentos biológicos representariam custo extra de R$ 4 bilhões nos cofres do Sistema Único de Saúde (SUS) em 10 anos, caso não haja mudança na legislação. “Esse item da lei prejudica a inovação, a concorrência, a fabricação e o acesso aos medicamentos”, afirma Arcuri.

Divulgação

Na corrida pela possível cura da Covid-19, a EMS foi uma das primeiras indústrias a participar ativamente de um estudo clínico sobre eficácia do tratamento com hidroxicloroquina e azitromicina, a partir da criação, em março, da Coalizão Covid-19, em conjunto com principais hospitais privados do Brasil. A empresa foi responsável pelo fornecimento dos medicamentos para as análises clínicas. Para Marcus Sanchez, o trabalho trouxe bons resultados, principalmente quanto à metodologia e importância da parceria para o avanço da ciência. “O principal aprendizado foi quanto a celeridade das aprovações. Ficou provado que é possível fazer ciência de uma forma rápida no Brasil”. A Coalizão deve ser mantida para outros estudos.

Antes que a eficácia da hidroxicloroquina fosse descartada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o tratamento da Covid-19, o interesse despertado pelo medicamento fez com que a EMS precisasse dobrar a produção. Isso para que não houvesse desabastecimento junto aos pacientes crônicos de doenças como artrite reumatoide, lúpus e malária, para as quais a medicação é prescrita. Antes da pandemia, eram produzidas 22 mil unidades mensais. Agora, são 44 mil. O medicamento tem sido, desde o início da quarentena, um dos pontos nevrálgicos no Brasil entre defensores e opositores do atual governo federal. Antes mesmo de ter testado positivo para o novo coronavírus, o presidente da República já era um defensor ferrenho da hidroxicloroquina, ainda que sem qualquer comprovação científica quanto à eficácia, a exemplo do fez por um bom um tempo sua principal referência política, o presidente americano Donald Trump.

Sérgio Zacchi

“O brasil caminha para dominar a ciência dos medicamentos biológicos, formar gente e ser um importante player do setor” Odnir Finotti, Presidente da Bionovis.

Na terça-feira (14), o Ministério Público solicitou ao Tribunal de Contas da União que obrigue o chefe do Executivo a parar de defender o uso do medicamento para tratar pacientes do novo coronavírus, como ele tem feito sistematicamente, principalmente em lives. “Essa importante e crucial tarefa cabe às autoridades científicas e à OMS, bem como aos políticos e aos gestores públicos que se alinhem às diretrizes por elas estabelecidas”, diz o documento do MP. O dirigente da EMS deixa bem claro qual a posição da empresa, que se esforça para ficar de fora desse Fla-Flu ideológico. “A nossa função é disponibilizar o produto. A gente não interfere na indicação. Para nós, a autoridade é do médico”, afirma Marcus Sanchez. Agora que contraiu o vírus, talvez o presidente passe a concordar.

Veja também

+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

PUBLICIDADE

Cidade

Inscrições online para campanha de castração de mil cães e gatos em Hortolândia

Artigo

em

Por

A Prefeitura abrirá as inscrições online de 4 a 6 de outubro, se todas as vagas forem preenchidas, as inscrições podem ser encerradas mais cedo.
Dando continuidade à política pública de proteção aos animais, a Prefeitura de Hortolândia está lançando mais uma campanha de castração de cães e gatos em quatro áreas da cidade.
De acordo com a Secretária do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a ação será realizada nos dias 13, 14 e 15 de outubro e 3 e 4 de novembro.
Você pode se inscrever online entre os dias 4 e 6 de outubro por meio de um link que será publicado nos próximos dias.
Ao registrar um animal de estimação, é necessário o cartão de cidadania do responsável.
No total, 1.111 animais serão atendidos pelo Departamento de Bem-Estar e Proteção Animal (DPBEA).
Embora o prazo para inscrições seja de três dias, a vaga poderá ser fechada mais cedo se a lotação para o evento for atingida.

Acompanhe no calendário abaixo os locais onde haverá castração:

Dias 13 e 14/10

LEIA TAMBÉM

Ginásio Poliespotivo Nelson Cancian

Rua João Barreto da Silva n° 505-Vila Real Santista

Dia 15/10

Emef Jd. Santiago

Rua Projetada, n° 500 – Jardim Santiago

Dia 03/11

Estacionamento Parque Irmã Dorothy

Manoel Antonio da Silva, n° 415 – Jardim Nossa Senhora de Fátima

Dia 04/11

DPBEA (Departamento de Proteção e Bem Estar Animal)

Rua Athanázio Gigo, n° 60 – Chácara Recreio 2000

Com informações Prefeitura de Hortolândia

Continue lendo

Notícias

Prefeitura leva vacinas contra Covid às escolas de Hortolândia

Artigo

em

Por

Hortolândia | Vacinação de adolescente em escola (Foto: Divulgação)

LEIA TAMBÉM

A Secretaria de Saúde de Hortolândia anunciou nesta segunda-feira que está em busca de crianças e adolescentes com idades entre 12 e 17 anos que ainda não foram vacinados contra a Covid-19 na cidade. Em parceria com escolas municipais, estaduais e particulares, a prefeitura informou que está levando a vacina ao ambiente escolar.

Para isso, as escolas enviaram à Secretaria de Saúde os dados vacinais dos alunos, apurados com apoio das famílias. As informações dados são checadas no cadastro nacional da vacinação. Assim, crianças e adolescentes que ainda não receberam a primeira ou a segunda dose da vacina recebem um termo de consentimento para assinatura dos pais ou responsáveis. Mediante esta autorização, a vacina é aplicada no ambiente escolar, diz a administração.

De acordo com a coordenadora dos programas de imunização da Secretaria de Saúde, Ana Paula Fernandes, a parceria com as escolas é necessária para ampliar a cobertura vacinal entre os adolescentes de 12 a 17 anos. “Estamos com agendamento aberto para este público, mas, por diversos motivos, algumas famílias ainda não conseguiram imunizar seus adolescentes. Com apoio das escolas e autorização dos responsável, vamos conseguir garantir a proteção dos nossos jovens com a vacinação nas escolas”, disse Ana Paula.
 

Continue lendo

Destaque

Após receber alta morre mulher atropelada em Hortolândia

Artigo

em

Por

Parentes de Iracema de Magalhães Lima informaram que a mulher teve alta do Hospital Mário Covas, onde estava internada na última sexta-feira (24).

Segundo familiares, Iracema de Magalhães Lima, de 56 anos, foi atropelada com sua sobrinha de 10 anos em Hortolândia (SP) e morreu devido a complicações de saúde do acidente. A morte foi confirmada nesta segunda-feira (27). A menina recebeu tratamento médico após o acidente e não apresentava risco de vida.

LEIA TAMBÉM

No sábado (25), ela adoeceu, foi novamente encaminhada ao posto médico e faleceu no mesmo dia. A causa da morte foi registrada como infecção generalizada. O funeral foi realizado na manhã de domingo (26), no Cemitério Parque das Flores.

Motorista fugiu sem prestar socorro

Segundo a sobrinha que foi atropelada, uma mulher, que estava no carro chegou a tirar sua blusa para estancar um sangramento no nariz. Logo após, o motorista fugiu.

“Eles acenderam o carro de novo e meteram o pé; deixaram a gente lá”, contou a menina.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou em nota que as investigações do caso seguem em andamento.

Continue lendo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Destaque

CidadeAtualizado há 6 horas

Inscrições online para campanha de castração de mil cães e gatos em Hortolândia

A Prefeitura abrirá as inscrições online de 4 a 6 de outubro, se todas as vagas forem preenchidas, as inscrições...

DestaqueAtualizado há 23 horas

Após receber alta morre mulher atropelada em Hortolândia

Parentes de Iracema de Magalhães Lima informaram que a mulher teve alta do Hospital Mário Covas, onde estava internada na...

DestaqueAtualizado há 1 dia

Pirelli está com processo seletivo para Programa de Estágio Pirelli 2022

Programa de Estágio Pirelli 2022 Procuramos por talentos criativos que tenham vontade de crescer em uma indústria apaixonante! Trabalhar com...

CidadeAtualizado há 1 dia

Marelli divulga oportunidade(s) para Programa de Novos Talentos 2° Semestre

A Marelli é uma das maiores empresas de autopeças do mundo e está com vagas de estágio abertas em suas...

CidadeAtualizado há 1 dia

Hortolândia implanta faixa de retenção exclusiva para motos

Sinalização vai aumentar a segurança viária perto de apartamentos e escolas na Avenida Santana Para melhorar a segurança viária em...

CidadeAtualizado há 1 dia

Calor, chuva e frio: Chuva deve dar o ‘ar da graça’ em Hortolândia

O início desta semana será marcado por ar seco e calor intenso em Hortolândia. A umidade, que ajudou a provocar...

DestaqueAtualizado há 2 dias

WÜRTH do Brasil abre processo seletivo pela internet para 78 oportunidades

A empresa disponibiliza vaga para a cidade de Sumaré; mas há oportunidades em todo país Por meio de um atendimento...

DestaqueAtualizado há 4 dias

Motociclista morre após colisão na SP-101, em Hortolândia

Um motociclista morreu após colidir na traseira de um veículo na tarde desta sexta-feira (24). Charles, de 35 anos, não...

DestaqueAtualizado há 4 dias

Dell Technologies abre processo seletivo para novas oportunidades de trabalho em Hortolândia

Dell Technologies é uma família única de empresas que fornece a infraestrutura essencial para que as organizações construam seu futuro...

DestaqueAtualizado há 5 dias

Ambev seleciona funcionários para trabalho em Campinas

Nossa gente aqui na Ambev sonha GRANDE! Somos milhares de apaixonados pelo que fazemos. Nosso maior objetivo é inovar no setor de bebidas com a...

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

TAGS

+ VISTOS