Município terá novas normas segunda; “vai ser mais rigoroso”, diz Angelo Perugini

O prefeito de Hortolândia, Angelo Perugini (PDT), declarou ontem que o município vai começar a multar as pessoas flagradas sem máscara e que vai apertar o cerco para aumentar o isolamento. Segundo ele, na segunda-feira (11) será publicado novo decreto. “Vai ser mais rigoroso, com mais disciplina. Precisamos aumentar o isolamento”. 

De acordo com o prefeito, a intenção é buscar o aumento no índice de isolamento. Hortolândia tem 48%, mas já teve 61% e é o melhor município da região em isolamento. 

Após anunciar a prorrogação da quarenta até dia 31 de maio, o governo do Estado também informou que o novo índice mínimo de isolamento para flexibilização é de 55%. 

PUBLICIDADE

“Segunda-feira eu público novo decreto, muito mais rígido. Precisa ser mais rígido, não dá para continuar do jeito que nós estamos. Tem gente que parece que nada está acontecendo. Ninguém está preocupado, estão abrindo comércio escondido, querendo correr o risco, estão de brincadeira, como se nada estivesse acontecendo”, desabafou. 

Perugini frisou que é preciso aumentar o isolamento e que a prefeitura não ficará omissa. “Vamos começar com punições. Não queremos dar multa, mas não tem jeito, tem gente que só aprende quando apertar o bolso. Vamos também aumentar os carros de som nas ruas, com mensagem defendendo o isolamento”, revelou. 

Hortolândia obrigou o uso de máscara no fim do mês passado, antes do governo do Estado, e até terça-feira (5) já tinha orientado 1.800 estabelecimentos comerciais essenciais. Até então, a posição da administração era não punir pessoas flagradas sem máscaras, o que deve mudar na semana que vem. Perugini não informou mais detalhes do novo decreto. 

“Se a gente conseguir se segurar um pouco, daqui a pouco voltamos. Se não conseguirmos uma redução rápida em 14 dias vai demorar para acabar a quarentena. É preciso do esforço de todo mundo”, ressalta. 

O prefeito disse que trabalha para atender dois objetivos citados pelo Estado ontem para começar a pensar em flexibilização. 

“Os requisitos são uma redução acentuada dos casos durante 14 dias e, além do isolamento, que a taxa de ocupação de leitos no município seja de no máximo 60%. Cumprindo isso vamos poder quem sabe reduzir a quarentena”, explica. 

De março para maio, os casos confirmados em Hortolândia foram de cinco para 80, um crescimento de 1.600%. 

“Os casos estão aumentando porque não estamos seguindo as regras da ciência, de ficar em casa. Temos que crescer 20% este isolamento para reduzir a curva”, disse.

Leia também

Randstad em parceria com Indústria Multinacional seleciona Operador de Produção

Randstad Holding N.V. é uma empresa holandesa especializada em soluções de trabalho flexív…