A Prefeitura de Hortolândia finaliza, no próximo mês, o projeto de obra para canalização de um afluente do Ribeirão Jacuba que passa pelo bairro Chácaras Reymar. Cerca de 500 metros de córrego, que fica na divisa do bairro com o Jd. do Lago, receberá a ação, que servirá para conter a erosão das margens. A obra será realizada com recursos do Banco CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), proveniente de financiamento internacional contrato pela Prefeitura em 2018 para realização de diversas obras de infraestrutura e mobilidade urbana, ações que garantirão a retomada do desenvolvimento econômico da cidade e qualidade de vida para a população.

De acordo com o secretário adjunto de Obras, Renato Sarto, a obra será licitada logo após a conclusão do projeto. “Este processo deve encerrar na metade do ano, com a previsão de início dos trabalhos no segundo semestre”, destacou Sarto. O secretário adjunto explica que a canalização do córrego será com a utilização de uma forma aberta de concreto pré-moldado, uma vez que canais fechados não são permitidos pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), autarquia do governo estadual responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos em São Paulo.

LEIA TAMBÉM

“A obra iniciará na região do Jd. Novo Ângulo, descendo o mesmo sentido do Ribeirão, em direção ao Jd. Santa Emília. Com a canalização, evitaremos o avanço da erosão das margens do córrego”, enfatizou.

Descarte de lixo e entulho agrava erosão

O trecho de córrego no bairro Chácaras Reymar é um ponto de descarte irregular de entulho e lixo orgânico, crime ambiental que colabora para a formação da erosão do terreno. O descarte de entulho e lixo nas margens prejudica a vegetação nativa, proteção natural de encostas. Com isso, na ocorrência de chuvas, a força da água leva o lixo e também a terra das laterais do córrego.

A Prefeitura de Hortolândia orienta para que a população descarte corretamente os resíduos, orgânicos e recicláveis, nos locais corretos. Lixo orgânico deve ser descartado durante a coleta domiciliar, feita porta a porta pelos caminhões de lixo. Já materiais recicláveis, volumosos (sofás e colchões, por exemplo) ou restos de construção civil, podem ser descartados nos PEVs (Pontos de Entrega Voluntária de Entulho), assim como recicláveis podem ser entregues para destinação correta nos LEVs (Locais de Entrega Voluntária de recicláveis).

O descarte irregular de entulho e resíduos é crime ambiental e está sujeito a multa. Atualmente, os valores variam de R$ 340 a R$ 34.000. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, quem quiser ajudar na identificação de pessoas e veículos que praticam crime ambiental pode enviar fotos e textos para o aplicativo do Programa Agenda Verde. Para baixar o aplicativo, basta fazer o download gratuito nas plataformas Google Play ou App Store do smartphone. A identidade dos denunciantes é mantida em sigilo.

Fonte: Prefeitura de Hortolândia

Leia também

Hospital municipal de Hortolândia tem pacientes à espera de transferência para hemodiálise

LEIA TAMBÉM Hospital municipal de Hortolândia tem pacientes à espera de transferência para…