Terminou em tumulto e ameaças de agressão, nesta quarta-feira (12/02/2020), a audiência pública destinada a ouvir o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, sobre a PEC nº 199/2019, que trata da execução da pena após a condenação em segunda instância.

A confusão começou após a fala do deputado Glauber Braga (PSol-RJ), que acusou o ministro de proteger milicianos usando a Polícia Federal. Braga chamou o ministro de “covarde” e de “capanga da milícia”.

Moro, por sua vez, retrucou e disse que o deputado era “desqualificado” para a função, fala também repreendida pelo presidente da comissão que analisa a PEC, Marcelo Ramos (PL-AM).

Em seguida, o deputado Eder Mauro (PSD-PA) entrou na briga, ofendendo a mãe de Glauber Braga. “Ele faz assim porque a mãe dele é uma bandida no Rio de Janeiro”, acusou o deputado bolsonarista que, em um momento da sessão, partiu para cima de Braga. Mauro foi contido por outros parlamentares.

Diante da confusão no plenário da comissão, Moro saiu escoltado por bolsonaristas e a briga continuou entre os parlamentares.

Fonte: Metropoles

Leia também

😷 COVID-19: Prisões da região já registram 122 casos e um servidor já morreu da doença

O aumento de infectados pelo coronavírus na região de Campinas (SP) também se reflete nas …